Alunos do Colégio São Marcos participaram do Fórum FAAP 2014 - Simulação da ONU

Compreender o funcionamento e o papel da ONU, na busca por resoluções diplomáticas de forma a garantir a paz e a proteção aos direitos humanos, é algo fundamental para uma geração que vive o processo de construção da cidadania planetária.

 

Há alguns anos, o Colégio São Marcos possui um laboratório de simulações interno, participando de eventos externos como o renomado Forum FAAP de discussão estudantil, que reconhecidamente constitui um dos melhores eventos de modelagem voltado para estudantes do Ensino Médio do país.Entre os dias 30/4 e 3/5, uma promissora delegação de jovens “diplomatas” de nosso colégio representou os mais variados países em comitês de debate interessantíssimos, organizados pelos estudantes de Relações Internacionais da Fundação Alvares Penteado.

 

Bianca Neme Barros – Djibuti na UNDOC (Escritório das Nações Unidas para Drogas e Crimes): Medidas de contenção do narcotráfico na América do Sul – o caso do Uruguai

 

Júllia Rodrigues Correa Pacça – Djibuti na LEA (Liga dos Estados Árabes): A crise humanitária na Síria e a questão dos refugiados palestinos

 

Giulio Roberto Duarte Frascari – Djibuti na UA (União Africana): atuação e medidas de contenção do Al-Shaabab no chifre da África

 

Sérgio Felipe Araújo Filho – Djibuti no PNUD (Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas)

 

Tadeu Augusto Duarte Grecco – Azerbaijão no ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados): A questão dos refugiados palestinos

 

Thaís Palanca da Silva e Lívia Rodrigues Lourenço – Luxemburgo no CSNU (Conselho de Segurança das Nações Unidas): A segurança do espaço cibernético no século XXI

 

Letícia Barbosa Plaza – UNWSC (United Nations World Summit on Corruption): possible solution to minimize corruption as a complex social, political and economic phenomenon

 

"O desempenho de nossos jovens diplomatas foi fascinante! Além das boas notas recebidas pelos avaliadores dos seus respectivos comitês, posso afirmar, como professor orientador, que todos os membros da nossa delegação cresceram como seres humanos".

 

Professor Henrique Porto

 

Há 41 anos formando cidadãos